Search
Search

Uma baixa nos antigos

Infelizmente, o jornal Diário Popular, de Pelotas RS, exalou o último suspiro. Foi de suprema importância para todo o Sul do Estado, uma referência na imprensa gaúcha e um dos mais antigos, com 130 anos de estrada.

A versão digital também morre junto. Sinto uma pontada de dor quando vejo um jornal impresso desaparecer. Para mim, o impresso fica, áudio e vídeo vão para o espaço em segundos. A História sempre será contada por letras impressas.

Dos antigos, restam a Gazeta de Alegrete e o Matusalém dos periódicos, O Taquaryense, com 137 anos. O jornal da cidade de Taquari ainda usa equipamentos que datam da sua fundação, inclusive utilizando letras inspiradas na art noveau (título da matéria à esquerda), movimento estético que começou na França por volta de 1890 e adentrou o século XXX. Longa vida pra ti, querido Taquaryense.

https://lp.banrisul.com.br/bdg/link/reconstruir-rs.html?utm_source=fernando_albrechtutm_medium=patrocinio&utm_campaign=conta_pj_reconstruir&utm_term=visibilidade&utm_content=escala_600x90px

No tempo do seu Álvaro

Caminhando pela rua Marechal Floriano, no Centro Histórico de Porto Alegre, deparei-me com este estabelecimento chamado Portugália, que me remeteu aos anos 1960. Fazia parte de um bar chamado Montanhês, cujo dono era um português, Álvaro Monteiro.

Bebia-se muito uísque então, e o Montanhês tinha um bom estoque de legítimos uísques escoceses, caros para meu bico, a não ser quando saía o 13º salário. O Álvaro ficou meu amigo e posteriormente comprou o Bar e Rotisserie Pelotense (reparem o nome chique), na rua Riachuelo, depois vendido para seu João Mariano.

O desaparecimento do seu João

A (ou o) Pelotense funcionou até meados dos anos 1980. Certo dia, seu Joao disse para a moça do caixa, Fifa, que iria ao dentista. O que ela entendeu, porque ele colecionava ouro nem que fosse de dentista. Ou seja, de baixa qualidade, mas nem por isso barato.

https://cnabrasil.org.br/senar

Nunca mais voltou, para desespero da Fifa e dos garçons Elpídio e Hugo. Pensamos que pudesse ter sido sequestrado, assaltado, coisas ruins assim. Mas não foi nada disso.

Consta que ele foi visto em cidade do Centro Oeste já com nova profissão, a de pastor que usava ervas para curar doenças. No fim, é a velha história, tudo é natural, inclusive o sobrenatural.

Ambulantes que não ambulam

Para quem conheceu o Centro Histórico da capital gaúcha, em especial a Rua da Praia ou dos Andradas, sente um nó na garganta quando vê a decadência de toda a área central. Tomada por camelôs e ambulantes que não ambulam, hoje é uma mistura de poeira e abandono. Isso independentemente da enchente.

Crianças, eu vi casais irem ao cinema sábado à noite e depois olhar vitrines das lojas de grife para decidir o que comprariam durante a semana. O bairro era cheio de vida até altas horas da noite, multidões à procura de tudo ou de nada.

Fernando Albrecht

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

Deixe sua opinião

Publicidade

Publicidade

espaço livre