Search
Search

Causa perdida

O aumento dos impostos e criação da nova CPMF, uma paulada de 0,20% mais o 0,38% que o governo quer dar para os estados e municípios é difícil de aceitar. São 0,38%, vamos combinar que isso é fora de qualquer razoabilidade. Vai ser peleia dura passar no Congresso. É bem provável que tenham botado alguns bodes na sala.

A CPMF, agora com novo nome – por que os governantes acham que mudar siglas melhora a coisa? – pode sofrer remendos, até porque para criá-la de novo precisa fazer emenda constitucional. Para os governadores na pindaíba, soa como o Ode à Alegria, de Ludwig van. Para nós contribuintes, soa como o Réquiem, de Mozart.

Antes eu achava que haveria uma revolta com a proposta. Agora, já estou começando a achar que a sociedade vai aceitar a porrada se ela passar no Congresso, evidentemente. Alguns vão esbravejar aqui e acolá, mas o resto vai ser como ovelha, que só sabe caminhar a mesma trilha e não muda jamais. Pode até que eu queime a língua, mas não sei mais o que pensar deste País maluco e esses insensatos que o deixaram assim.

De cócoras. E pedindo desculpas estar nessa posição.

Fernando Albrecht

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

Deixe sua opinião

Publicidade

Publicidade

espaço livre