Search
Search

O inchaço do planeta

A cada segundo, morrem 1,8 pessoas e nascem 4,2, segundo dados recentes. Não tem como o planeta Terra aguentar o tranco.

Quem tem mais de 60 anos deve se lembrar do hino da Seleção Canarinho na Copa do Mundo de 1972 “noventa milhões em ação”. Em 1950, a população brasileira era de 52 milhões. Deu para sentir o salto?

https://www.veloe.com.br/banrisul?utm_source=fernando_albrecht&utm_medium=p_blog&utm_campaign=tag_banrisul&utm_content=escala_600x90px

O Poema das Sete Faces

Mundo, mundo, vasto mundo
Se eu me chamasse Raimundo
Seria uma rima,
não seria uma solução

Assim escreveu o poeta Carlos Drummond de Andrade. Ainda estamos nos recuperando da pandemia. E, agora, vem um mosquito de pijama carregando no seu bojo uma arma de destruição em massa, a dengue.

www.brde.com.br

Porto Alegre já foi dominada pelo inseto da morte, também responsável pela febre amarela urbana. Duas versões para o bombardeiro da morte para a febre amarela silvestre, Haemagogus e o Sabethes.

Na malária, nosso inimigo desde o milênio passado, o vetor é o mosquito anofelino, também conhecido como carapanã, muriçoca, sovela, mosquito-prego e bicuda.

Quer dizer simplesmente que nossos maiores inimigos são seres teoricamente insignificantes. Mas só na aparência.

https://cnabrasil.org.br/senar

Quando eu era adolescente, ficava impressionado com os relatos da febre amarela em regiões úmidas e quentes. Livros e mais livros “de aventura” descreviam os sintomas que iam e voltavam, dependendo do grau de gravidade. Às vezes, febrões por toda vida.

A Grande Peste

Sabemos das pestes que dizimavam populações inteiras na Idade Média, antes e depois dela. Os poucos que sobreviviam ficavam com a face marcada por sulcos e buracos, dando a ele uma aparência desagradável de se ver.

Pois também a peste foi obra de um ser insignificante, a pulga do rato. Mas ninguém sabia disso. Então, a doença era atribuída ao demônio ou castigo de Deus pelos pecados cometidos.

A doença que aterrorizava

Nos meus tempos de adolescência, o medo era pegar a lepra, como a hanseníase então era chamada. Vem dos tempos bíblicos a ação da bactéria Mycobacterium leprae.

Pegava-se apenas pelo contato segundo a crendice popular, o que é totalmente falso. A transmissão é difícil.

Como “lepra” era o demônio em pessoa, custou a chamá-la por hanseníase. Na Zona Sul de Porto Alegre, havia o Leprosário Itapuã, em cujo pórtico de entrada havia a inscrição “Nós não caminhamos sós”.

O que nos impressionava era que os infectados tinham ausência de dor. Então, a maioria tinha dedos queimados ou esmagados por trabalhos manuais corriqueiros, porque a dor serve de alerta que a hanseníase ocultava.

Foi um dos meus grandes medos da adolescência. Então, todas as pragas são causadas por seres insignificantes e até invisíveis a olho nu. Por isso mesmo são difíceis de exterminar.

Pedágio free

O Banrisul, em parceria com a Veloe, oferece um produto para proporcionar mais autonomia e comodidade no dia a dia de seus clientes: a Tag Banrisul para pagamento e passagem automática em pedágios e estacionamentos credenciados de todo o Brasil. Para correntistas é grátis.

Fernando Albrecht

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

Deixe sua opinião

Publicidade

Publicidade

espaço livre