Search
Search

Um é careca, outro empobreceu

Jeffrey Preston Bezos é um empresário estadunidense conhecido por fundar e ter sido o presidente e CEO da Amazon, na qual você certamente comprou alguma coisa. Assim, contribuiu para que ele tenha amealhado 199 bilhões de dólares.

Pois ele acaba de passar por alguns bilhões o também pobretão Elon Musk, aquele dos carros elétricos Tesla, entre outros negócios. Agora vamos à famosa frase “Palavras que consolam”.

www.brde.com.br

A barriga do ricaço

Nos anos 1960, o cartunista Péricles fez um trabalho onde aparecia um favelado magrinho pedalando sua bicicleta escangalhada em Copacabana, tendo ao lado um Cadillac conversível cheio de mulheres de biquíni. Na direção, um gordo careca fumando charuto, todo pimpão. A frase do magrinho: “Pelo menos eu não crio barriga”.

Bezos é careca. É novo, mas já inaugurou seu aeroporto de mosquitos. Se botá-lo de cabeça para baixo e sacudi-lo, periga não cair um níquel dos bolsos. Musk, por sua vez, teve que pagar uma grana federal nos Estados Unidos para fazer o recall dos seus autinhos de ligar na tomada. Imagina a insônia que causou.

O cartão perigoso

A bem da verdade, esses super-ricos realmente não carregam muito dinheiro sonante. Já é um arquétipo em filmes, algum ricaço precisa de moedas para algum fim ou em cabine telefônica e ele fica embaraçado por não tê-las.

https://www.veloe.com.br/banrisul?utm_source=fernando_albrecht&utm_medium=p_blog&utm_campaign=tag_banrisul&utm_content=escala_600x90px

Mesmo os pobres de hoje só levam o mínimo necessário, o resto leva cartão. É por causa dele que o endividamento é recorde no Brasil. Há poucos anos, só classe média tinha cartão. Hoje é todo mundo.

Coisa de pobre

Nos anos 2000, celular era coisa de classe média alta. Hoje, é difícil encontrar um pobre sem ele.

Meu primeiro celular, em 1998, custou R$ 2 mil em dinheiro da época. Há três ou quatro anos, smartphone não era para qualquer um. Hoje é.

https://cnabrasil.org.br/senar

O que nos leva a filosofar sobre o melhor negócio do mundo, que é de ganhar dinheiro com a conversa dos outros. Por isso, as operadoras de telefonia têm lucros fantásticos.

O Clube dos 20

Os primeiros celulares, os grandalhões da Motorola, foram lançados no Rio de Janeiro e em Brasília. Custavam 20 mil DÓLARES.

Apenas algumas dezenas de pessoas tinham capacidade para comprar um. Brasília não vale, porque ninguém pagava. O governo ou o Congresso recebiam um de graça – graças a nós contribuintes. Então esses riquinhos fundaram o “Clube dos 20” só para se jactar.

Os que falam e ouvem

Logo que chegaram os celulares Nokia, pequenos, que só falavam e ouviam, um diretor da operadora Claro contou que um dos motivos que levou a empresa a primeiro investir no Rio Grande do Sul foi o fato que nós gaúchos conversamos mais que o resto dos brasileiros. Hoje, até sem teto tem um.

A velocidade é que importa

Sempre digo que não são as novidades tecnológicas que impressionam, é a velocidade com que elas chegaram a ponto de o produto ficar obsoleto em seguida. Chegaremos ao dia em que um celular já nasceu obsoleto.

Leve um susto

Quando você gasta em banda larga, celular por ano? Multiplique por cerca de 100 milhões.

Campanha Banrisul

O Banrisul revelou sua nova campanha institucional, que marca o lançamento oficial do novo posicionamento da instituição: “Banrisul é um banco único. Porque te entende”.

Prestes a completar 100 anos de atuação, o Banco, que conta com mais de quatro milhões de clientes, demonstra que vem se adaptando às mudanças do mercado e às necessidades dos gaúchos.

A nova campanha institucional pode ser acompanhada nos perfis do Banrisul no Instagram, Facebook, YouTube e LinkedIn. Assista ao vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=C6OAskk_1IA .

MenuPoa

Antes de palestrar no MenuPoa, da Associação Comercial de Porto Alegre, o prefeito Sebastião Melo veio à minha mesa para bater uma caixa – é assim que era a gíria nos anos 1960, ao lado, o publicitário Paulo Boa Nova aprende mais um pouco.

Foto: Alex Rocha/ACPA

Fernando Albrecht

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

Deixe sua opinião

Publicidade

Publicidade

espaço livre