Search
Search

O cara do caminhão

Lembrei de um  causo acontecido nos anos 1990, quando começou a onda de trazer bluezeiros americanos. Ele estava hospedado no hotel Alfred Porto Alegre, na rua Senhor dos Passos, que tinha um bar maravilhoso chamado Tyffany’s, decoração baseada no Harry’s Bar de Veneza. Um luxo. Sua época de ouro foi a partir do final dos anos 1970.

Um guitarrista americano, homem de quase dois metros de altura cujo nome me escapa, tinha uma história igual a tantas outras. Um caminhoneiro negro que tocava blues como ninguém nas estradas dos Estados Unidos, até que alguém o descobriu, estava hospedado no Alfred.   

Certa noite, estava eu no bar quando ele entrou, sentou numa mesa e pediu suco de laranja com rum. O barman o olhou com certa desconfiança quando ele fez o pedido.

Outro freguês do bar sentou-se no piano e tentou, eu disse tentou, tocar um boogie woogie. Sabem como é, usar a mão esquerda não é para qualquer um.

Alguns compassos depois o bluezeiro se irritou, meio que tirou o cara a tapa do piano. E, aí sim, ouvi maravilhado um BW supimpa.

Depois que terminou, voltou ao seu suco de laranja com rum. Bati discretas palmas.   

O barman, que obviamente era zero em boa música, estava limpando um copo com um pano branco. Inclinou o rosto.

– Quem é esse cara?

–  Um caminhoneiro – respondi.

Ele terminou de polir o copo, colocou-o de volta na prateleira de vidro de costas para mim. Volteou a cabeça.

– Logo vi.

Fernando Albrecht

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

Deixe sua opinião

Publicidade

Publicidade

espaço livre