Search
Search

O Brasil empreendedor

O Brasil é um oceano de pessoas que, do nada, conseguem ser gigantes do empreendedorismo. Deveriam dar um destes prêmios empresariais para o dono de uma queijaria de Macapá. Com meros R$ 80 mil de capital social, virou gente grande e vai receber R$ 763 milhões do governo para importar arroz.

Imagem: CanvaPró

Capital & Trabalho

Como em toda a catástrofe, as estimativas de prejuízos feitas por setor da economia ou globalmente são três: a subestimada, ou superestimada e a real. Tem ou teria que explicar se inclui lucros cessantes e se tem ou não seguro.

São critérios fundamentais para dimensionar o estrago das enchentes. Se do lado empresarial é assim, do lado dos empregados é 100% de preju caso sejam demitidos. Essa é outra faceta dolorosa.

Avaliações imprecisas

Essas avaliações estão sendo feitas agora. E, no meu entender, não cobrem a realidade. Cenário que só terá contornos nítidos mais adiante, dependendo da atividade da empresa.

É como nossa pessoa. Uma é como os outros nos enxergam. Outra, como gostaríamos que nos vissem. Além disso, tem a face real.

https://lp.banrisul.com.br/bdg/link/reconstruir-rs.html?utm_source=fernando_albrechtutm_medium=patrocinio&utm_campaign=conta_pj_reconstruir&utm_term=visibilidade&utm_content=escala_600x90px

Há que considerar também a localização destas empresas. Se estão em áreas alagadas, que tiveram perda parcial ou total do estoque e equipamentos. E se têm como voltar a produzir, mas dependem de rodovias e reconstrução de pontes que se foram com as águas. Sem falar no aeroporto.

Faltou dizer

Repito o que escrevi semana passada. Não vi nenhuma matéria impressa ou reportagem de TV que falasse na questão dos equipamentos de pouso e decolagem por instrumentos do Salgado Filho, o ILS I e o II. É o que permite operar com teto e visibilidade menores, as luzes de aproximação, que possibilita ao piloto a aproximação na reta final para ver se o avião está no ângulo correto para tocar a pista no ponto ideal.

O solo perdido

Tenho por mim que a difícil recuperação apresentará mais desafios ao longo do tempo. Cada etapa que se encara traz outras variáveis, algumas inesperadas. O triste é saber que muitas terras férteis se foram, o solo foi “lavado”, a mata ciliar afundou ou foi arrastada e árvores desapareceram. E como desassorear os rios é algo tenebroso só de ver o tamanho da bronca.

https://cnabrasil.org.br/senar

Um novo amanhã

Cito o nível do Guaíba, que estava ontem em 1m88cm, acima da cota de enchente (3m60cm). Com vento favorável ou não, acredito que este é um novo normal. No entanto, pode virar anormal se chuvas mais volumosas causarem alta dos afluentes do Guaíba, especialmente o Jacuí que, com o Taquari, representa 70% das águas do Guaíba.

Dupla identidade

Por sinal, essa teimosia de chamar o Guaíba de lago tem a  mesma solidez que um castelo de cartas. Lago é um sistema fechado, ora bolas, que não é o caso. Teve até uma piada jocosa: o Guaíba é transaquático – é rio, mas se sente como lago.      

Eu penso, logo produzo

Há uma roda famosa que toma cafezinho no Z Café da Padre Chagas. Entre eles está o veterano Eduardo Macedo Linhares, que toca a GAP Genética, de altas linhagens de gado se corte. Está com 96 anos e nem pensa em parar.

Foto: Fernando Albrecht

Sem palavras

Fernando Albrecht

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

Deixe sua opinião

Publicidade

Publicidade

espaço livre