Search
Search

O azar do Betinho

“…antes que alguém pudesse segurá-lo, se foi em alta velocidade”

O Betinho era um dos melhores repórteres policiais dos anos 60. Só que às vezes, ele se empolgava tanto que misturava as coisas e dava uma de auxiliar de policial. Coisas da época. Certa madrugada, ele acompanhou uma equipe da Delegacia de Furtos e Roubos numa batida na Vila Bom Jesus. Os policiais buscavam um assaltante linha de frente. Perigoso. A turma chegou ao barraco onde o cara presumivelmente estava. Uma viatura iluminou a casinha com os faróis e os policiais começaram seu trabalho. – Saí aí de dentro, cara! E sai com as mãos pra cima! Silêncio. Nenhum som veio em resposta, nenhuma luz se acendeu. – Pela última vez, sai agora ou vai bala! Ainda silêncio. – Então tá. Tu pediu. Engatilharam as armas e já iam para o serviço, quando Betinho inchou o peito e berrou: – Deixa comigo! Falou e fez. Antes que alguém conseguisse segurá-lo, engrenou uma primeira e se foi em alta velocidade, jogando se contra a porta com tudo. Desapareceu na escuridão. Passaram-se alguns segundos. Em seguida, veio uma voz estrangulada em algum lugar do outro lado. – Me tirem daqui! A turma apressou-se e entrou, temendo o pior. Não tinha nada do outro lado, o barraco tinha apenas a parede frontal, a escuridão camuflava a coisa. Endereço errado. Do outro lado, no que deveriam ser os fundos da casa, havia um valão cheio de merda. E dentro dele, Betinho. Atolado na merda até o pescoço.

 

 

Fernando Albrecht

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

Deixe sua opinião

Publicidade

Publicidade

espaço livre