Search
Search

A visão da grama

 

Causo dos tempos de aeroclube. Um aluno se matriculou no curso para obter brevê de piloto para escapar do serviço militar, obrigatório da época. Como não se apresentou em tempo hábil, ou tirava o curso de piloto privado ou cana. Era um tipo intelectual, com óculos de aro de tartaruga, sabia tudo sobre o pensamento aristotélico e nada sobre estol e menos ainda sobre a arte de voar. Dizem que ele entrou no CAP4 Paulistinha e perguntou se a primeira marcha era como no Fusca. Mas aí já era maldade.

Um inspetor do Departamento de Aviação Civil (D.A.C), o Infraero da época, de sobrenome Calmon, ficou com pena do rapaz e pediu para um instrutor, não lembro se do aeroclube de Caxias ou do RGS, na época em Canoas, que desse aulas extras, levando em consideração a lamentável falta de vocação aeronáutica do rapaz.

Nem ele aguentou o tranco. Desistiu depois de umas boas 10 horas de voo e o expulsou do curso. Contou ao Calmon que em desespero de causa tentou tirar um mínimo do aluno problema. Quando o Paulistinha entrou na reta final, biruta à vista, o instrutor perguntou ao aluno se ao menos pudesse dizer a velocidade e a direção do vento. O rapaz abriu a janela corrediça.

– Forte. E de frente.

Meses mais tarde, surgiu outro causo dele. Nas primeiras aulas, quando o grupo de alunos fazia o reconhecimento da pista, alguém perguntou se conseguia ver o fim da pista. Ele apontou o dedo.

– Mas claro! É ali, onde a grama nasce abrupta.

 

 

Fernando Albrecht

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

Deixe sua opinião

Publicidade

Publicidade

espaço livre