Search
Search

A insônia japonesa

Quem tem insônia ou dificuldades para dormir ouve rádio, ou faz palavras cruzadas. Tem gente que pega no sono com o monólogo da mulher deitada ao seu lado. Só exige um treinamento, o de dizer “hmm” de vez em quando. Isso é programável. Falando por mim, a TV é o maior sonífero que existe. O problema é que nessa minha profissão você é treinado para ver e captar palavras-chave, que imediatamente te deixam esperto. Digamos que eu sou um ótimo cão treinado por Pavlov, ou como um dos tantos softwares de filtros de palavras-chave ou padrões de fluxo, e até da falta dele. Então eu vivia acordando bem na hora que começava aquele estágio do soninho gostoso. Falei no tempo passado porque hoje nem durmo mais, desmaio.
Voltando à vaca fria. Logo que surgiu a TV por assinatura, e descontado programas que realmente eu gostava e gosto de ver, eu deixava a TV ligada no canal de notícias japonês NHK. É difícil entender qualquer coisa dos nipônicos, então aquele rosário de palavras monocórdicas e ininteligíveis me conduziam rapidamente para os braços de Morfeu. Até o dia em que meu software começou a ficar alerta até para japonês. Deu-se assim: meu quase-sono fluía calmo e sereno quando aconteceu o desastre. Meu sono fluía tranquilo como as nuvens das Eternas Planícies dos índios norte-americanos quando uma palavra captada pelo meu sonar destruiu meu dormir, um som no meio de uma frase do âncora, umazinha só, mas destruiu meu dormir.
– …Brasil…
Desde aquele tempo não consigo mais dormir quando sintonizo no NHK. Como os computadores da NSA, até a ausência de fluxo os deixa alerta

Fernando Albrecht

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

Deixe sua opinião

Publicidade

Publicidade

espaço livre