Search
Search

A felicidade numa latinha

Quando eu tinha 16 anos, meus pais me mandaram para o internato do Colégio São Jacó, em Novo Hamburgo, bairro Hamburgo Velho (RS), hoje sede da universidade Feevale. Internato é internato. É como prisão, não adianta luxo na cela.

Como eram tristes aqueles anos, para usar uma frase de Lotte, mulher de Stefan Zweig. A cada duas semanas e com expressa autorização dos pais, você fazia uma maratona usando três ônibus pinga-pinga para chegar, no meu caso, a Montenegro. Saía no sábado às 10h. Mas domingo de noite tinha que estar lá antes das 19h.

Domingos eu já amanhecia triste. Minha mãe colocava uma lata de leite condensado Moça (Viva a Nestlè, que Deus lhe dê longa vida!) aquecida em banho-maria até virar dulce de leche. Nem o Santo Graal era tão guardado quanto aquela lata, a escondia entre meus livros.

Todo santo dia, eu comia uma colherinha pequena daquela delícia, que levava dias para terminar. Raspava tanto o fundo com a colher que a parte interna brilhava mais que osso de cadáver de camelo ao sol do Saara. O bicho comeu.

Esse foi meu conceito de felicidade nos tempos do internato do São Jacó. Uma simples lata de leite condensado.

Fernando Albrecht

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

Deixe sua opinião

Publicidade

Publicidade

espaço livre